Postado por : Thainá Cristina 26 maio 2014

Eu vi essa matéria recentemente e achei super válido compartilhar por aqui, principalmente numa época aonde as pessoas se esquecem que o principal é ler com qualidade e não em quantidade.

A velocidade da internet nos fez desaprender a arte da leitura. É preciso redescobri-la. Quando abandonamos as distrações digitais e lemos um livro com calma, mesmo que por pouco tempo, cultivamos algumas habilidades fundamentais que corremos o risco de perder.

Para quem está destreinado, reacostumar-se à leitura lenta ou praticá-la pela primeira vez pode dar trabalho. Não há motivo para preocupação. Os livros – sempre eles – podem ajudar. São incontáveis os autores que pretendem nos ensinar a ler melhor. Entre eles, o crítico literário americano David Mikics é o que mais chamou minha atenção, com seu livro recém-lançado Slow reading in a hurried age (A leitura lenta numa era apressada).

O título explica tudo – perfeito para quem quer capturar a atenção de leitores apressadinhos. Ao longo de 336 páginas, Mikics defende os benefícios da leitura lenta e se propõe a ensiná-la. É a mais apaixonada declaração de amor aos livros que li nos últimos tempos. Na coluna de hoje, divido algumas de suas dicas para quem quer abandonar a pressa.

1. Saiba por que você está lendo

Ninguém lê um livro apenas para passar o tempo. Na internet, no celular ou na tela da televisão, não faltam outras opções mais atraentes e acessíveis para quem quer relaxar nas horas vagas enquanto o sono não vem. Ler um livro é uma atividade diferente de todas elas. Lemos porque estamos procurando respostas para algo – talvez uma pergunta que ainda não tenhamos feito. Pense nisso. Ler sem motivo é uma receita infalível para ler mal. Antes de começar um novo livro, tente responder a essa questão simples: o que você espera tirar dessa leitura? É uma maneira de escolher melhor os livros que lemos – e de garantir que a pergunta será respondida.

2. Fuja da microleitura

Engana-se quem diz que a televisão é a principal inimiga dos livros. A maior distração dos leitores, hoje em dia, é a própria leitura. Dedicamos a maior parte de nosso tempo na internet a uma leitura fragmentada, superficial, com péssimos índices de compreensão e retenção. Você pode passar o dia inteiro lendo posts no Facebook e notícias curtas em portais. Daqui a um mês, não se lembrará de nada. Repetir esse comportamento por um longo prazo é matar a mente de inanição. “Não dá para viver dessa dieta”, diz Mikics. “Até para ler apenas uma página de literatura de verdade é preciso ter tempo para refletir.

3. Aprenda a perder

Um dos erros mais comuns entre apaixonados por livros é não respeitar seus próprios limites. A lista de leituras pendentes é interminável e não há tempo a perder. Mal viramos a primeira página e já pensamos em acabar a história, e no próximo livro que leremos em seguida. Com isso, a leitura passa a ser uma fonte de estresse. A vontade de terminar o livro é tão grande que não somos capazes aproveitá-lo. Reconhecer que não conseguiremos ler tudo o que queremos é fundamental para aproveitar a leitura. “Como você lê importa muito mais do que quanto você lê”, diz Mikics. Ler cinco livros com prazer é muito melhor do que ler cinquenta sem refletir sobre eles.

4. Respeite o autor

Você pode até não perceber, mas a internet se molda às suas vontades. Seus amigos nas redes sociais provavelmente pensam como você. Algoritmos do Google e do Facebook selecionam e exibem o conteúdo que tem mais chances de agradar alguém com o seu perfil. Você pode passar um dia inteiro na internet sem encontrar alguém que tenha bons argumentos para discordar de suas opiniões. Ler um livro, pelo contrário, é um exercício permanente de questionar convicções. É deixar de ser protagonista para ser ouvinte. Na leitura, a opinião do autor é muito mais importante do que a do autor. É preciso deixar as preferências pessoais de lado para entender um livro por completo, mesmo que discordemos dele. Só quem aprende a ouvir e aceitar opiniões diferentes conseguirá aproveitar a leitura.

5. Desconfie do autor

Endeusar um autor pode ser ainda mais perigoso do que rechaçá-lo logo de cara. Qualquer livro, mesmo os grandes clássicos, é cheio de idiossincrasias típicas de qualquer obra humana. Analisar as escolhas do autor e fazer perguntas sobre elas é uma maneira de dar ainda mais profundidade à leitura. O que cada personagem representa? Por que o livro termina da maneira como termina? O que mudaria se a história se passasse nos dias de hoje? Alguma das opiniões do autor seria considerada polêmica ou inaceitável atualmente? Condenar o autor é injusto e inútil, mas fazer perguntas desse tipo é um passo importante para garantir que tiraremos o melhor de cada livro.

6. Imagine novas histórias

Para terminar um livro, o autor é obrigado a tomar decisões. Das inúmeras de histórias diferentes e contraditórias imaginadas por ele, apenas uma chega ao leitor na história publicada. Por que ela foi escolhida? Por que a trama não se desenrolou de outra forma? As perguntas parecem infantis, mas são um passo essencial para quem quer entender melhor o autor. Pense nas maneiras diferentes como o livro poderia ser escrito. Imagine histórias paralelas e tente se colocar na cabeça do escritor que decidiu descartá-las. Ralph Waldo Emerson escreveu uma bela frase sobre o assunto: “Assim como existe a escrita criativa, existe a leitura criativa.” O que não está no livro pode ser tão estimulante quanto o que chegou às páginas da versão final.

7. Viva com o livro

“Olhar para um tweet demora alguns segundos; entender um romance demora dias, às vezes semanas”, diz Mikics. Pela sua natureza, o livro é algo que nos acompanha no dia a dia, mesmo quando não estamos diante de suas páginas. Pensar num livro quando estamos longe dele é uma parte indispensável da leitura lenta. Leve seu livro para passear, ainda que mentalmente. Lembre-se dele nas situações mais inusitadas do cotidiano. Se você tiver sorte, isso mudará algo na sua forma de ver o livro (ou a vida). Um tweet dificilmente teria esse efeito.

8. Repita até aprender

Com tantos livros para ler em tão pouco tempo, a releitura poderia ser vista como um pecado a ser evitado a todo custo. Na prática, ela é essencial. Mikics recomenda que todos os leitores tenham uma prateleira de livros favoritos e releiam ao menos partes deles com frequência. Cada leitura é uma redescoberta. Uma das mais verdadeiras frases sobre esse hábito foi escrita pelo romancista Robertson Davies: “Um livro verdadeiramente grandioso deve ser lido na juventude, na maturidade e na velhice, da mesma forma que um prédio bonito deve ser visto de manhã, ao entardecer e à luz da lua.”

9. Encontre sua próxima leitura

Uma boa leitura pode ser definida como uma conversa franca entre leitor e escritor. Quando embarcamos nela, é comum entreouvirmos, à distância, diálogos entre o autor do livro e outros autores. Um leitor curioso não deve perder a chance de acompanhar essas conversas. Um bom livro serve como porta de entrada para uma infinidade de outros, igualmente valiosos.

10. Reavalie sua vida

A experiência da leitura, segundo Mikics, é comparável a uma visita a um país estrangeiro. Podemos nos comportar como turistas impacientes, que estranham quaisquer novidades e não veem a hora de chegar em casa. Mas é muito mais recompensador aprender com as diferenças culturais, aceitá-las, descobrir um novo universo e reavaliar sua vida com base nessas descobertas. Cada livro é um país desconhecido. “Aproveitar ao máximo a viagem a esse novo território significa se render os sons e paisagens do lugar, mantendo-se alerta a todas as suas surpresas. Só depois você pode julgar o que viu”, afirma o autor. Cada nova leitura é uma chance de escolher se seremos viajantes curiosos ou turistas apressados. Nunca é tarde para aproveitar a viagem.

Comentários
10 Comentários

{ 10 comentários... comente você também }

  1. Adorei o post!
    Como todo leitor viciada tenho uma pilha de livros não lidos que vai crescendo a cada dia, assim como um lista de livros desejados que também cresce exponencialmente.
    Mas, tento aproveitar o máximo a leitura. Não acho que eu leia rápido demais. Tem algumas leituras que são mais rápidas, porque a trama e a narrativa me impede de fechar o livro, o famoso "vou ler só mais um capítulo".
    Concordo plenamente com o autor: “Aproveitar ao máximo a viagem a esse novo território significa se render os sons e paisagens do lugar, mantendo-se alerta a todas as suas surpresas. Só depois você pode julgar o que viu”. Prefiro ler e viajar para um novo mundo, conhecer novos personagens, imaginas situações impossíveis ou não, a jogar videogame, ver tv, por exemplo.

    ResponderExcluir
  2. Esse post é um desafio para mim, por mais extenso que seja um livro não consigo passar mais de uma semana para terminar(esse é o maior tempo que levo para terminar uma leitura), fico angustiada com o ler devagar, e não é algo que eu não tentei ainda, simplesmente não sei passar tempo demais em um livro. Até acho muito importante os pontos citados nesse post, mas não é porque leio rápido que não os sigo! hihihi

    ResponderExcluir
  3. Adorei o post! !
    Sei lá não tenho mais esse problema dele rápido, antes eu tinha por exemplo meu primeiro livro eu li em 4 horas hahahaha, mas agora leio uns 3 capítulos por dia no máximo 4 dependendo do tamanho do livro.

    ResponderExcluir
  4. Realmente eu precisava ler este post. Ando lendo igual uma louca...

    ResponderExcluir
  5. Realmente muitas pessoas lêem livros tão rápido que eu acho que acabam não entendendo nada mas depende do livro também, tem leituras rápidas e boas que conseguimos entender por outro lado tem livros que precisam de mais atenção e calma. Felizmente eu consigo ler um livro com mais calma quando é preciso, quando a leitura requer mais minha atenção eu demoro o tempo que for preciso. Todos deveriam ler matérias como essa para ver se não estão lendo "correndo" kk
    Amei o post, acho demais vocês postarem coisas assim aqui (:
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Para você ver como as coisas são... vejo lendo matérias por aí de como ler mais rápido e agora me deparo com uma para ler mais devagar, rs. É engraçado.
    Então... sou a favor de não ler como uma máquina, acho que se a pessoa ler muito rápido nem vai perceber detalhes essenciais da obra.
    Acho que todo livro precisa de atenção e foco, muitas pessoas estão mais preocupadas em quem leu mais esse mês e etc. Estão fugindo do real sentido da leitura, se apaixonar e compreender o contexto.

    ResponderExcluir
  7. Esse é um post para ler e reler muitas vezes. Eu nao consigo ler um livro rapido, as vezes demoro semanas, quando percebo que me distrai volto algumas paginas e leio novamente para voltar ao "mundo do livro". Agora o que eu nuca consegui fazer é reler um livro, nao consigo. Outra falha que tenho é começar um livro ja querendo espiar as ultimas folhas e ja pensando na proxima leitura. E o pior, começo uma leitura sem tirar a antiga da cabeça. Enfim, melhor sempre nao é ?

    ResponderExcluir
  8. Concordo plenamente com "as pessoas se esquecem que o principal é ler com qualidade e não em quantidade".
    Tantas pessoas parecem se orgulharem em dizer que leram um monte de livro em um mês, e legal, mas o que elas podem dizer sobre esses livros? A leitura teve qualidade? Acrescentou algo ou foi só mais um número?
    Eu percebi que estava lendo apressadamente, quando li quatro vezes um dos meus livros preferidos e se você me perguntar alguns detalhes importantes eu não saberei responder, porque li rápido demais, e assim que acabei já estava abrindo outro que também não lembro muito sobre ele.
    "Ler cinco livros com prazer é muito melhor do que ler cinquenta sem refletir sobre eles."
    Concordo cada vez mais com isso!
    Lembro de um evento que eu fui e uma autora disse: "Adoro quando vocês falam que lerem meu livro em uma noite, mas, é meio chato porque foram meses para eu escrever e ficar bom, depois vem a revisão e a edição, tudo demora muito, e vocês engolem numa noite, eu acho legal, mas só penso em quanto mais eu tenho que escrever."
    E é verdade, se bem que quando gostamos muito de um livro, não dá para parar de ler, devoramos, mas é legal devorar com qualidade na leitura.
    Esse ano, em que não estou trabalhando e tendo mais tempo para ler, salvo nas épocas de provas na faculdade, estou mudando meu jeito de ler, com menos pressa, porque às vezes olho no skoob e vejo meus livros lidos e penso, do que era mesmo esse?

    Gostei bastante do post, vou até colocar o link dele no meu twitter, porque merece.

    bjs

    ResponderExcluir
  9. Adorei o post e realmente nos faz pensar na maneira em que estamos lendo. Eu por exemplo, já teve época em que peguei tantos livros emprestados que não conseguia ler nenhum... Mas mesmo super atarefada, na tentativa de conseguir ler, começava 2, 3 livros ao mesmo tempo e depois no fim das contas, misturava todas as história e não conseguia lembrar em detalhes de nenhuma delas.
    Com certeza, o bom da leitura é saber apreciá-la... curtit.

    Bjok

    ResponderExcluir
  10. Oi Thainá!
    Goste bastante do post, até porque tive que me reeducar sobre esse assunto. eu lia muito rápido, mas percebi que esquecia da história muito pouco tempo depois de terminar a leitura, agora paro um pouco e assim consigo pensar um pouco sobre o que li, mas ainda é difícil largar um livro após ter começado... Uma coisa que não largo mão é reler os livros que mais gosto, já perdi as contas de quantas vezes revisitei o Sr. Darcy...
    Beijos!

    ResponderExcluir

^

- Copyright © 2013 Quatro Amigas e um Livro Viajante - Hospedado pelo Blogger -