Postado por : Victória Santana 17 março 2015

Título: No Encontro de Uma Constante
Autor: Bruno Luiz Matos
Páginas: 164 páginas
Editora: Independente
Resenha por: Victória
Você, leitor, assim como eu, se sente bem ao ler um poema e ser tocado pela poesia nele existente? Se sim, continue essa resenha e conheça esse livro lindo. Se não, continue mesmo assim, porque o livro não vai deixar de ser lindo.

Escrito por Bruno Luiz Mattos, “No encontro de uma constante” é um livro de poesia composto por oitenta e dois poemas, que refletem as constantes inconstâncias do nosso cotidiano, que por fim, formam o que chamamos de vida. São palavras sobre os encontros e os desencontros, sobre o que é raro e ordinário, sobre o amor, e o prazer e a dor de amar, e a linha tênue que os divide, sobre o que é efêmero e o que é eterno, se é que a eternidade realmente existe. São palavras sobre o “Aqui e em toda parte”.
Foi difícil escolher um só poema, ou só um trecho com que me identifiquei. Só um que pudesse dizer: “é meu favorito”!. Em realidade encontrei semelhança com a minha forma de escrever e de expressar minha poesia. O jogo e repetição de palavras intencional elas dão uma sonoridade deliciosa aos poemas, que te faz sentir leve e te ajuda a embarcar nessa viagem que o autor propôs. 




“...E o que falta
não é o que faltava
deixando que o dia continue
o que a noite deixou que existisse
que outras noites tragam a
 narrativa desse dia...”
- Fragmento de “Um céu






“.. Preto e branco 
o colorido já não existe
não enquanto olho por essa máscara
sem saber o que realmente existiu
por que todos são tão bons
em serem ruins?...”
- Fragmento de “Somos todos bons”




A diagramação está ótima, a capa é muito bonita e remete às reflexões que o livro apresenta, e não encontrei nem um erro de digitação. Poderia dizer, leiam: “Partes”; “O propósito disso tudo"; “Folhas brancas”; “Entretanto”; “Espaços”..., mas não, quero que leiam esse livro por completo. Sintam as emoções tocarem sua alma num ritmo gradativo, com um lindo final. Deliciem-se. Reflitam.
Vivemos de “constantes” no tempo, mas será que o tempo realmente existe ou estamos presos apenas a momentos que não podem ser medidos? Que nos permitam sempre, a reflexão.



“...Somos doces crianças no inferno
 de responsabilidades
separando lixos preciosos
em sentimentos dispendiosos
queimando, apagando, lamentando
 e deixando...”
- Fragmento de “Separar"



QUAL A SUA CONSTANTE?

Comentários
7 Comentários

{ 7 comentários... comente você também }

  1. otimo livro, gostei da sua resenha e da opiniao sincera sobre o produto , no caso o livro..sucesso ao autor e ao seu blog :)

    http://www.jacknuit.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!! O autor merece todo o sucesso, mesmo!!

      Excluir
  2. Oiee!
    Acho que todo mundo deveria ter ao menos um livro de poesia na estante.
    Esse, pelo que você postou me parece ser muito bom, já me vejo com ele em mão e/ou presenteando alguém.
    Bjokas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Iêda!
      Concordo com essa sua filosofia, todos deveriam ter mesmo um livro assim! kkk
      Espero mesmo que você leia o livro ou dê de presente a alguém, ou faça ambas as coisas! kkk

      Beijos

      Excluir
  3. Oiiiiii, tudo bom?
    Sou apaixonada por poemas, eles me encantam hahaha esse livro pelo visto é ótimo, eu gostaria muito de ler ele, e espero ter essa oportunidade.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Camila

      Espero que você o leia mesmo, é ótimo!

      Beijos

      Excluir
  4. Adorei a resenha, os gifs, TUDO. Eu confesso que nunca tinha ouvido falar desse livro e nem muito menos do autor, mais o livro me chamou a atenção. Poesia é algo que adoro ler, e só pelas passagens você me deixou doida para ler ele.

    ResponderExcluir

^

- Copyright © 2013 Quatro Amigas e um Livro Viajante - Hospedado pelo Blogger -